Governo da Bahia

Governo da Bahia

Notícias de Última Hora

Investigação quer descobrir se houve pagamento por conversas hackeadas de autoridades

Após 75 dias das primeiras prisões na Operação Spoofing da Polícia Federal que mira ainda eventuais mandantes de vazamentos do Telegram, a investigação da Polícia Federal sobre a invasão das contas das autoridades já chegou aos suspeitos do hackeamento e descobriu o modus operandi do grupo partindo agora para uma terceira fase.

A apuração busca esclarecer se há pessoas acima das já identificadas no esquema, continua à procura de eventual pagamento pela divulgação das mensagens da Lava Jato e quer garantir que todo o conteúdo capturado de autoridades tenha sido recuperado, segundo a Folha de São Paulo.

A expectativa é que o estudante Luiz Henrique Molição, 19, preso em setembro na segunda etapa da Operação Spoofing, possa dar detalhes da divulgação das conversas de procuradores da Lava Jato, como Deltan Dallagnol, e do ex-juiz Sergio Moro, atual ministro do governo Bolsonaro.

Molição é suspeito de ter feito parte dos contatos com o jornalista Glenn Greenwald, do site The Intercept Brasil, a pedido do principal investigado pelos hackeamentos, Walter Delgatti Neto. Enquanto os outros presos estão no presídio da Papuda, Molição permanece numa cela na Superintendência da PF em Brasília, onde é mais fácil para a polícia ouvi-lo e onde ele não tem contato com os demais investigados.

Delgatti, que foi preso na primeira fase da Spoofing, em julho, afirmou à PF que agiu sozinho e repassou as mensagens ao Intercept de forma anônima, voluntária e sem pagamento.

A polícia, contudo, tem indícios fortes de que ele não atuou sozinho, mas com ajuda dos dois rapazes presos posteriormente: Molição, seu colega de classe em um curso de direito em Ribeirão Preto (SP), e Thiago Eliezer Martins Santos, um morador de Brasília especialista em informática.

A investigação conseguiu acessar os arquivos de um computador da marca Apple apreendido com Delgatti e encontrou duas pastas contendo conversas com uma pessoa apelidada de "Crash" —que a PF suspeita que seja Thiago Eliezer— e outra, de "Molissaum", que seria Molição.

No computador de Delgatti foi achado um áudio do jornalista Glenn conversando com um rapaz --que, mais tarde, foi identificado como Molição.

"Como tá agora tá saindo muita notícia sobre isso, a gente chego... Chegamos à conclusão que eles estão fazendo um jogo pra tentar desmoralizar o que tá acontecendo", disse Molição. "Hã ham", respondeu Glenn, num trecho transcrito pela PF.

O rapaz menciona que o 'grupo' pegou o Telegram de várias pessoas no ano passado (2018)", de acordo com a PF, o que contradiz outro trecho da oitiva de Delgatti, segundo o qual os hackeamentos tinham começado neste ano. Molição teria sido incumbido de falar com Glenn porque Delgatti se desentendia com o jornalista quanto a pagamentos e não compreendia bem seu sotaque --o editor do Intercept é norte-americano.

O estudante falou à polícia, em 25 de setembro, que "Walter [Delgatti] tentou vender o conteúdo de contas de Telegram para Glenn Greenwald", conforme mensagens que leu em um celular dado a ele pelo colega, "entretanto Glenn teria se recusado a efetuar qualquer tipo de pagamento em troca do conteúdo".

O celular mencionado, um iPhone apelidado por Delgatti de "biriri", "espelhava" contas de terceiros. Nesse aparelho, Molição disse ter visto conversas de Telegram da deputada Joice Hasselmann (PSL-SP). Ele também confirmou à PF que escreveu um texto crítico ao Ministério Público Federal, a pedido de Delgatti, para enviar a um jornalista como se tivesse partido de Joice.

Eliezer é suspeito de ter ensinado Delgatti a efetuar as invasões, pois tem conhecimentos avançados em informática e trabalhava nessa área. Para a PF, Eliezer era "ao menos conhecedor das invasões de contas do Telegram que eram realizadas por Walter Delgatti Neto". Molição contou que, depois que Delgatti foi preso, recebeu uma mensagem de uma pessoa que ele acredita ser Eliezer, que escreveu: "Você deve saber quem eu sou, eu ajudava o garoto".

Foram localizadas 14 transferências de pequenos valores de Delgatti para Eliezer, como uma de R$ 4.500 em abril deste ano. A investigação, por ora, não afirma que as transferências tenham relação com as invasões de Telegram porque os dois são suspeitos também de praticarem fraudes eletrônicas para ganhar dinheiro.

Em seu primeiro depoimento em julho, Delgatti ficou em silêncio quando a polícia perguntou se ele conhecia Eliezer. Depois, disse que o conheceu pela internet e comprou dele uma Land Rover em 2018. PF e Ministério Público Federal apontam suspeitas de uma série de crimes: invasão de dispositivo de informática de autoridades públicas, violação de sigilo telefônico sem autorização judicial, fraudes bancárias, estelionatos, lavagem de dinheiro e crime contra a Segurança Nacional (espionagem) --cuja pena é a mais alta, podendo chegar a 15 anos de prisão.

Na primeira fase da Spoofing, foram presos, além de Delgatti, Danilo Marques, Gustavo Henrique Elias Santos e sua mulher, Suelen Oliveira. Não há informações conhecidas de que os três tenham invadido o Telegram de autoridades, mas há indícios de que praticavam fraudes bancárias e estelionatos eletrônicos.

"A defesa reitera a convicção na inocência de Luiz Molição", diz um dos advogados do estudante, Ademar Costa. A defensora pública federal Manoela Cavalcanti Barros, que representa Danilo Marques, afirmou, em nota segundo a Folha, que a prisão preventiva dele é ilegal porque, passados mais de 70 dias, "ainda não houve qualquer aprofundamento das investigações acerca das fraudes bancárias". G1