Governo da Bahia

Governo da Bahia

Notícias de Última Hora

Mãe coloca cebola cortada no quarto para tosse e filho vai para UTI

Tudo começou com um episódio de resfriado normal. Tosse, secreção, dificuldade para dormir. Aquele combo clássico que toda mãe já sentiu na pele durante as noites mal dormidas. “Levei o Henzo ao pediatra e estava tudo certo. Coriza clara, pulmão limpo. Seguimos com o tratamento tradicional à base de inalação, lavagem com soro fisiológico e xarope fitoterápico”, conta a assistente financeira Juliana Ishiara, 35 anos.
Durante a noite, angustiada com a tosse do filho que não passava, Juliana decidiu colocar em prática a dica que havia lido na internet. Foi até a cozinha, descascou e cortou uma cebola em quatro partes. Colocou em um prato e o posicionou próximo à cama do filho, que dormia no mesmo quarto que ela.
“Em menos de cinco minutos, o Henzo começou a ter uma crise de tosse muito forte, que não parava. Ele puxava o ar, mas não conseguia respirar. O esforço para tossir era tamanho que, em minutos, ele vomitou e começou a ficar muito cansado. Eu escutava um forte barulho quando ele tentava respirar”, relata Juliana.
Diante do desespero do filho, ela o levou rapidamente ao pronto-socorro. “Chegamos ao hospital e o Henzo foi atendido às pressas. Recebeu oxigênio, teve que tomar injeção de adrenalina e fazer inalações de resgate com altas doses de medicamento. Quando o quadro se estabilizou, os médicos decidiram interná-lo na UTI para que ele pudesse ficar monitorado”, relata Juliana.
Foram cinco dias na UTI. Além de ficar com o medidor de oxigênio o tempo todo, Henzo teve que fazer um tratamento com bomba asmática e medicamentos para tentar reverter a crise respiratória. Após a alta, e de mais dois dias sob observação no quarto, Juliana seguiu com o tratamento durante trinta dias em casa.
Passado o susto, ela levou Henzo ao pneumologista para fazer uma investigação e buscar respostas. Após muitos exames, nada foi descoberto.
Juliana relata que as enfermeiras do Hospital Notre Dame, em São Paulo, onde Henzo ficou internado relataram que outras crianças já haviam passado pela mesma situação após terem contato com a cebola cortada.
De acordo com a pediatra Patrícia Fukui, especialista em pneumologia pediátrica do Fleury Medicina e Saúde, existe um mito sobre a cebola ser um imã de vírus e bactérias, mas não há nenhum dado científico que comprove a eficácia do vegetal na recuperação de tosses e outros problemas respiratórios. Pelo contrário, ao ser cortada, a cebola libera um gás volátil à base de enxofre, que provoca justamente o cheiro tão característico.
“É muito comum ter episódios de bronquiolite e outras doenças respiratórias na primeira infância. Algumas crianças, no entanto, desenvolvem uma hiper-responsividade brônquica após esses problemas, que pode ser desencadeada por odores fortes, como de um perfume ou até mesmo da cebola. Essa hipersensibilidade pode provocar broncoespasmos e dificuldades na respiração”, explica Patrícia.
De toda forma, alerta Patrícia, só o pediatra é capaz de avaliar o quadro do paciente levando em consideração o histórico da criança.   Globo