Governo da Bahia

Governo da Bahia

Notícias de Última Hora

'A intenção era só assustar ele', diz autor de disparo que matou eletricista em assalto

Autores confessos da morte do eletricista Robson Moitinho Lima, de 46 anos, Rodrigo Campos Papa Sousa e Allan Denisson Araújo Santana, ambos de 19 anos, foram apresentados nesta quarta-feira (21) na sede da Polícia Civil, na Piedade. À imprensa, Allan, o autor do disparo, alegou que não tinha intenção de matar a vítima.
Robson morreu após levar um tiro no peito na última sexta-feira (16), durante um assalto a ônibus. Segundo Allan, a intenção era apenas "dar um susto" no eletricista. 
"Nós já íamos descer, já tínhamos pego os aparelhos. Foi quando ele (Robson) me surpreendeu com uma gravata e eu fui tentar dar uma coronhada nele, mas a arma disparou. Eu só queria botar pânico nele, só assustar ou intimidar. Não era a minha intenção matar, eu me assustei quando ele reagiu. Depois disso, eu entrei em desespero e saí correndo do ônibus. Tenho noção do que fiz, foi uma fatalidade", explicou Allan.
A dupla foi apresentada nesta quarta-feira (21) na sede da Polícia Civil, na Piedade, pelo Departamento de Crimes Contra o Patrimônio (DCCP) e o Grupo Especial de Repressão a Roubos em Coletivos (GERRC).
Segundo a polícia, Allan foi reconhecido por testemunhas através de fotos de outra investigação do GERRC, por outros roubos em coletivos. Ele foi o primeiro a ser preso, ainda durante a manhã da última segunda-feira (19), dentro de uma residência em Paripe, próximo ao local onde ocorreu o assalto. Já Rodrigo foi encontrado pelas equipes do GERRC no dia seguinte, terça-feira (20), numa outra casa próxima à que o comparsa estava.
Durante o assalto, Allan foi o responsável por recolher os pertences das vítimas. Ele foi surpreendido pelo eletricista, que lhe aplicou uma gravata após ter seu celular tomado. Ao tentar se soltar, o criminoso pegou a arma do comparsa e atirou contra Robson e o matou.
Investigação
Segundo o responsável pelas prisões, o coordenador do GERRC, delegado Glauber Uchiyama, a arma do crime, um revólver calibre 38, não foi encontrada. No entanto, a dupla revelou onde fez o descarte e confessou a participação em outros três assaltos a coletivos nos bairros de Paripe, Águas Claras e Abrantes. 

"Eles confessaram o crime e disseram que descartaram a arma numa boca de fumo do bairro. Allan alegou que o motivo do disparo foi por causa do desespero após a reação da vítima ao assalto. A orientação que sempre damos é que nunca reajam a assaltos em coletivos", disse Uchiyama.
De acordo com a delegada Maria Selma, Alan e Rodrigo são moradores de Paripe e, apesar de terem confessado participações em outros crimes, não possuem nenhuma passagem pela polícia.
Após o cumprimento do mandado de prisão preventiva, a dupla foi encaminhada pelos policiais para o sistema prisional, onde ficará à disposição da Justiça.
Relembre o caso
O assalto que culminou na morte de Robson ocorreu por volta das 19h30 de sexta-feira (16), dentro de um ônibus do Consórcio Integra Plataforma, da linha 1604 (Base Naval – Lapa), próximo a uma fábrica de gelo, em Paripe, no Subúrbio Ferroviário. Segundo testemunhas, o eletricista reagiu ao assalto.

De acordo com informações da Polícia Civil, dois homens anunciaram o assalto ao coletivo quando o transporte passava por um viaduto em Paripe. A vítima entrou em luta corporal com um dos criminosos e foi atingida com um tiro no peito. Socorrido para o Hospital do Subúrbio, Robson não resistiu e morreu em seguida.
Em nota, a PM informou que uma equipe da 19ª Companhia Independente de Polícia Militar (CIPM/Paripe) foi acionada, por volta das 20h, via Centro Integrado de Comunicação (Cicom), que havia um homem baleado no interior de um ônibus, em Paripe.
Ainda segundo a PM, a dupla de assaltantes conseguiu fugir para uma comunidade na região de São Tomé de Paripe. Em seguida, as equipes da 19ª CIPM realizaram rondas e incursões no local a procura dos responsáveis, mas ninguém foi preso.
Passageiros e outras testemunhas do crime foram ouvidas pela polícia, e imagens de câmeras de vigilância do ônibus foram solicitadas.
O eletricista deixa esposa e quatro filhos. O corpo dele foi enterrado na tarde deste sábado (17), no Cemitério Municipal de Paripe.
Já na terça-feira (20), por volta das 7h, moradores do bairro de Fazenda Coutos realizaram um protesto na BA-528, a Estrada da Base Naval de Aratu, também conhecida como Estrada do Derba. Por cerca de duas horas, eles queimaram pneus e interditaram trecho da rodovia, em ambos os sentidos.
A manifestação foi encerrada após cerca de 20 minutos de negociação com policiais militares. De acordo com a TV Bahia, o Corpo de Bombeiros Militar da Bahia (CBMBA) esteve no local e apagou o fogo dos pneus. A Polícia Rodoviária Estadual (PRE-BA) também esteve no local.
Os manifestantes pediram segurança e melhorias na infraestrutura do local, além de requalificação da rodovia.  Correio