Santo Antônio de Jesus

Santo Antônio de Jesus

Notícias de Última Hora

A cada hora, três baianos cancelam contrato com empresas de TV a cabo

Crise econômica, TV por satélite, TV por internet ou falta de tempo em casa. São inúmeros os motivos que levaram 24.543 baianos a cancelarem os contratos com empresas de TV por assinatura, entre outubro de 2017 e outubro deste ano, de acordo com dados divulgados pela Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) neste mês.
O número corresponde a 68 cancelamentos por dia no estado ou 3 quebras de contrato a cada hora. Neste cenário, a Bahia representa 5,9% de todos os contratos rasgados no Brasil neste período, sendo o estado do nordeste com mais cancelamentos. Na região, apenas Maranhão, Ceará, Pernambuco e Piauí tiveram aumento de contratantes.
No cenário nacional, entre as quatro maiores empresas de TV por assinatura, apenas a Oi apresentou crescimento no mesmo período, com alta de 8,3% e mais de 123 mil novos contratos. As empresas Vivo (-1,1%), Claro (-4,7%) e Sky (-0,2) tiveram déficit nas contratações no mesmo período.
De acordo com a Anatel a queda nas contratações de TV por assinatura teve início no final de 2014, tanto no Brasil quanto na Bahia. O órgão atribui os números à crise econômica e à popularização dos serviços de streaming de vídeo, a exemplo da Netflix.
O vice-diretor do Instituto Nacional de Telecomunicações (Inatel), Carlos Nazareth Motta Marins, também atribuiu como os violões da queda nos contratos a crise e os novos serviços de vídeo, o que ele chamou de mudança tecnológica.
“É um conjunto de motivos. O Brasil enfrenta uma grave crise econômica desde 2013, com aumento no número de desempregados. E, como TV a cabo é entretenimento, muitas vezes é a primeira opção na hora do corte, até porque, existe a TV aberta, que tem custo zero”, explicou.
Ainda segundo Carlos Marins, o chamado acesso on demand é um dos motivos que levaram à quebra dos contratos com empresas de TV a cabo. “No últimos dois anos, os serviços de compra de vídeo por demanda ganhou popularidade no Brasil. Esse tipo de venda faz com que o usuário pague uma mensalidade mínima, se comparada aos contratos com empresas de TV por assinatura, e ele tem direito a assistir ao conteúdo em vários dispositivos, sem acréscimo no valor”, disse.
Por fim, o vice-diretor do Inatel também destacou aplicativos de vídeos, como o Youtube, além de ressaltar que as famílias, na hora do corte de gasto, optam por manter os serviços de banda larga, justamente, para ter acesso aos diversos aplicativos, o que inclui os serviços de streaming.
Por meio de nota, a Vivo afirmou que tem como foco “oferecer as melhores tecnologias de conexão na rede fixa e vem expandindo a tecnologia FTTH, rede de fibra ótica de última geração”. A empresa ainda complementou dizendo que, “para o triênio 2018/2020, vai dedicar cerca de R$ 7 bilhões dos investimentos da empresa para a expansão de fibra ótica pelo Brasil”.
O diretor de Varejo da Oi na Bahia, única empresa brasileira que teve aumento de contrato, Enéias Bezerra da Silva, comemorou os resultados da companhia no mercado de TV por assinatura. “Esses números são resultados de diferentes decisões positivas que a empresa tomou, se diferenciando das operadoras convencionais e provando que é possível se manter competitivo oferecendo soluções atraentes para os clientes”.
O CORREIO tentou contato com a Claro e a Sky, mas as empresas preferiram não se posicionar.   Fonte Correio