Santo Antônio de Jesus

Santo Antônio de Jesus

Notícias de Última Hora

Mulher clicada ao dar sorvete na boca de Mourão foi investigada por Sergio Moro

Famosa com a repercussão de uma foto em que aparece dando uma colherada de sorvete na boca do general Hamilton Mourão (PRTB), eleito vice-presidente de Jair Bolsonaro (PSL), a maquiadora Carola Cimini já foi investigada pelo juiz Sergio Moro. Seu problema na Justiça ocorreu há cerca de quatro anos no âmbito de uma operação para desarticular uma quadrilha de tráfico internacional de drogas.

Segundo informações do portal Extra, no dia 2 de dezembro daquele ano, ela foi presa pela Polícia Federal (PF) do Paraná. Carola, que era casada com o empresário Edvaldo Muniz da Silva, o Toni Boiada, foi um dos alvos da Operação Denarius. Ele foi apontado como chefe da quadrilha e ainda está preso.

"Na verdade, já estávamos separados. Me lembro como se fosse hoje. Eu estava dormindo quando os policiais federais chegaram ao meu apartamento. Bateram várias vezes na porta e, quando abri, foram entrando com um mandado de busca e apreensão. Eu não entendi nada. Um delegado mandou eu arrumar uma mala com roupas confortáveis e ir com ele para a sede da PF. Arrumei três. Ele me disse: 'Bonitona, você não vai viajar pra o exterior'. Eu realmente não estava entendendo nada", contou Carola.

Com isso, ela ficou presa por 10 dias e conta que a libertaram por falta de provas de seu envolvimento com o crime. Mas a maquiadora chegou a ser processada e ficou frente a frente com o juiz Sergio Moro, que aceitou o convite de Bolsonaro para assumir o posto de ministro da Justiça a partir do próximo ano.

"Obviamente, eu pensava que podia ter algo errado. Mas o Edvaldo me levava nas fazendas, eu via aquelas cabeças de gado, o patrimônio dele era imenso. Como poderia imaginar que tinha droga envolvida?", indagou. Hoje com 27 anos, ela conta que conheceu o ex ainda aos 17 anos. Após oito meses de namoro, descobriu que ele havia sido preso em Campinas, em 2002. "Mas já estava apaixonada", ponderou.

De acordo com a publicação, Carola afirma que recebia R$ 30 mil de mesada do marido, com quem tem uma filha de oito anos. No entanto, ressalta que saiu da relação sem nada.
Foto: Reprodução / Extra

Cerca de quatro anos depois, o encontro da maquiadora com Mourão ocorreu num evento para o lançamento da campanha de Paulinho Vilela (PSL-PR) a deputado federal, em Londrina, no Paraná. Não se sabe ao certo quando o evento aconteceu, mas as fotos de Carola com o general começaram a circular depois que ela compartilhou em seu perfil do Instagram, no último domingo (28). Na legenda, a mulher diz que teve "a oportunidade de brincar" com o vice-presidente e que o "próximo sorvete é na boca do Bolsonaro".

"Ele tem cara de bravo, mas é um fofo, um doce de pessoa. Mas não teria um romance com ele. Já com o presidente... Acho ele um charme", comentou.

Alvo de críticas e ofensas que chegam a chamá-la de garota de programa, a mulher também tem colhido frutos positivos do encontro. "Me chamaram para fazer uma linha de maquiagem, posar para um catálogo de joias e fabricar uma sandália com meu nome", enumerou. Além de trabalhar como maquiadora, Carola hoje faz curso para pilotar aviões particulares.