Santo Antônio de Jesus

Santo Antônio de Jesus

Notícias de Última Hora

Mobilização contra Bolsonaro precisa se mostrar maior que guerrilha virtual

Estão previstas para este sábado (29) manifestações em todo país com base na campanha #EleNão, que tenta criar um movimento contrário à eleição do deputado federal Jair Bolsonaro (PSL) para ocupar o Palácio do Planalto. Às vésperas da eleição, todavia, a mobilização precisa se mostrar maior do que a guerrilha virtual para que se torne efetiva, sob o risco de cair no descrédito e acabar sugada pela espiral do silêncio em torno da ascensão do capitão no cenário político.

Os eleitores de Bolsonaro são resistentes. É inegável. Há algum tempo o candidato do PSL é um alvo prioritário das críticas dos adversários. A vitrine que o deputado federal se transformou justifica, inclusive, as matérias da imprensa que apresentam problemas sobre o passado dele. E, por mais que insistam em dizer que se trata de “perseguição”, a agenda setting é um dos cânones do jornalismo. Bolsonaro vende jornais e gera cliques, é inegável. Além de estar no olho do furacão que se tornaram as eleições de 2018 no Brasil.

O processo de desconstrução dele até o momento se mostrou pouco efetivo. Os índices daqueles que apoiam a candidatura dele e não pretendem mudar de opinião até o primeiro turno é um dos mais altos entre os postulantes ao Planalto. Pelos relatos que se tem notícia, parte deles usa a desculpa da “indignação contra o sistema” ou “único capaz de mudar alguma coisa”. Algo próprio do imagético elaborado e colocado em prática pelo candidato nos últimos anos. Artificial, como também sabemos.

Por isso que as mobilizações do #EleNão são extremamente desafiadoras para o que se propõem. Se, ao longo de todo o longo processo eleitoral brasileiro, antecipado desde 2014, os eventuais absurdos proferidos por Bolsonaro ou as ações pouco afeitas à democracia executadas pelo grupo político a ele ligado não surtiram efeito para arranhar a imagem do deputado frente ao eleitorado, o que poderá atingir cabalmente, ao ponto de ameaçá-lo nas urnas? Não uma faca, como acabou provado na prática.

É claro que a movimentação é extremamente válida e legítima. O brasileiro reconhece que o povo que aqui mora tem um baixo senso de comunidade e que prefere se fechar no próprio mundo a participar da vida social. O desmerecimento do #EleNão é uma prática que deve ser condenada, apesar de sabermos que, ao longo do dia, aparecerão milhares de ironias sobre a mobilização. O silêncio, entretanto, é ainda pior.

Vencidos todos os preconceitos e todas as resistências, o Brasil pode assistir a uma bela visão do que a democracia nos permite fazer: ter direito a declarar nossa posição partidária livremente. Porém há um pedido bem simples, mas explícito, a ser feito. Respeitar aquele que pensa diferente daquilo que você acredita. Para que não estejamos incorrendo no mesmo erro que criticamos. (BahiaNotícias)